Todos os horários
A&EXTRAS

Mulheres que deixavam comida e água para imigrantes ilegais no deserto do Arizona são condenadas à prisão

Ao longo verão de 2017, quando as temperaturas atingem níveis inimagináveis no Arizona, quatro mulheres dirigiram pelo deserto, ao longo da fronteira com o México, para deixar água e comida para os imigrantes que atravessavam o muro clandestinamente. 

A ideia era simplesmente evitar que eles morressem de fome ou de desidratação durante a dura e inóspita travessia. 

Pois o governo americano arrumou uma maneira de incriminar essas mulheres. Os advogados alegam que elas entraram em uma área de proteção e deixaram água e comida no local – e isso é crime ambiental. 

A medida aumentou a tensão entre os trabalhadores de causas humanitárias com a polícia de migração dos EUA. 

Os policiais alegam que estão apenas cumprindo leis. 

As quatro mulheres, que fazem parte de um grupo chamado No More Deaths (Chega de Mortes, na tradução) foram condenadas após um julgamento que durou três dias. Elas podem pegar até seis meses de prisão. 

 “Se dar água a alguém que está morrendo de sede agora é ilegal, que humanidade ainda resta nesse país?”, protestou uma delas. 

Natalie Hoffman, Oona Holcomb, Madeline Huse e Zaachila Orozco-McCormick contam que tiveram a ideia de deixar alimentos e bebidas para os imigrantes motivadas pela crença de que todo ser humano tem direto ao básico para sobreviver. 

Os números apontam que mais de 3.000 imigrantes morreram ao tentar cruzar o árido deserto do Arizona entre 1999 e 2018. 


Toda sexta, a partir das 20h40, tem dobradinha de NCIS: LOS ANGELES. Não perca!


Fonte: Washington Post